08
Qua, Jul
ptenfres

 

“Ao caminharmos pela orla do cais, ficamos encantadas com o seu centro histórico,  que tem o nome de  Ribeira, construído nos montes ,em frente ao Rio Douro. Hoje, o local é um Patrimônio Mundial da Humanidade”

 

 

Assim que chegamos na  aconchegante cidade de Porto, eu e minha filha Kelley Cristine  deixamos as malas no  excelente Hotel IBIS, com ótima localização e  descemos toda a extensão  da  rua da Alegria, endereço do nosso Hotel, até chegarmos em um restaurante, onde pedimos um delicioso prato: “Bacalhau  a portuguesa ”e que foi servido por um funcionário brasileiro .


Era uma tarde gostosa de inverno, e resolvemos após o delicioso “banquete”, continuar a nossa caminhada  até chegamos em frente ao Rio Douro que  separa as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, que está  ligada pela ponte a Luís I .
Um cantor que por ali divertia  seus fãs, parecendo adivinhar nossa presença, recebeu-nos cantando um belo fado! Emocionadas pela música e de conhecer o belo Porto,  continuamos a nossa caminhada subindo uma pequena escada de madeira que dava acesso a Ponte Luis l. Ali tiramos as primeiras fotos, que por sinal ficaram muito lindas!


Aproveitamos  o final de tarde para passear sem pressa e observar o sol desaparecendo no poente e, aos poucos, as luzes de Gaia e do Cais da Ribeira (Porto) substituírem a luminosidade  
Ao caminharmos pela orla do cais, ficamos encantadas com o seu centro histórico, localizado ali no cais que tem o nome de  Ribeira, construído nos montes em frente ao Rio Douro. Hoje, o local é um Patrimônio Mundial da Humanidade da UNESCO.


Segundo as estatísticas Porto é a segunda maior cidade de Portugal, situada no noroeste do país e capital da Área Metropolitana do Porto (NUTS III e área metropolitana), da região Norte (NUTS II) e do Distrito do Porto. O município, com 41,42 km² de área, tem uma população de 237 591 habitantes  dentro dos seus limites administrativos, sendo subdividido em sete freguesias. É a cidade que deu o nome a Portugal – desde muito cedo (c. 200 a.C.), quando se designava de Portus Cale, vindo mais tarde a tornar-se a capital do Condado Portucalense, de onde se formou Portugal e de onde, mais tarde, se construiu o Império Português, visto que foi construído, maioritariamente, por pessoas da Região Norte . É ainda uma cidade conhecida mundialmente pelo seu vinho, pelas suas pontes e arquitetura contemporânea e antiga, o seu centro histórico, classificado como Patrimônio Mundial pela UNESCO, pela qualidade dos seus restaurantes e pela sua gastronomia, pela sua principal equipe de futebol, o Futebol Clube do Porto, pela sua principal universidade pública: a Universidade do Porto, colocada entre as 200 melhores universidades do Mundo e entre as 100 melhores universidades da Europa, bem como pela qualidade dos seus centros hospitalares.


O Porto é o local onde se formalizou a criação de um consórcio pioneiro em Portugal: o Consórcio das Universidades do Norte (UniNORTE), que corres- ponde a uma associação/parceria entre a Universidade do Porto, a Universidade do Minho e a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, a fim de serem partilhados meios, recursos humanos e fundos europeus.


É a sede e a capital da Área Metropolitana do Porto, que agrupa 17 municípios com 1 757 413 habitantes em 2 089 km² de área, com uma densidade populacional próxima de 1098 hab/km², o que torna a cidade a 13ª área urbana mais populosa da União Europeia, sendo, portanto, a segunda maior zona urbana portuguesa, a seguir a Lisboa.O Porto, juntamente com os conselhos vizinhos de Vila Nova de Gaia e de Matosinhos, forma a Frente Atlântica do Porto, que constitui o núcleo populacional mais urbanizado da Área Metropolitana, situado no litoral, delimitado, a oeste, pelo Oceano Atlântico, com a influência estrutural do estuário do Rio Douro


O rio Douro atravessa a região. Entra em Portugal apertado entre as ravinas e montanhas do interior  para percorrer toda a paisagem do Patrimônio Mundial onde se cultivam os vinhos do Porto e do Douro. Ali se cruza o vinho que segue até às Caves de Gaia e os cruzeiros que visitam a região.

 

 

É com muita alegria que retornamos (Nancy e minhas filhas : Gisele, Kelley e Poliana) a querida cidade de Tiradentes, para escrever uma matéria de Turismo,  edição janeiro, para o  Jornal da Canastra.   
Tiradentes sempre exerceu em mim  uma forte influência devida a cidade ser  berço  natal de meu pai.

É difícil definir Tiradentes em poucas palavras, porque cada museu, igreja, rua ou praça encantam-nos com a sua história!
Fundada no início do  século XVIII, Tiradentes possui aproximadamente  sete  mil habitantes e  oferece infraestrutura completa   para o turismo, restaurantes, ponto de taxi, serviço de informações, farmácias,  posto  de gasolina e  lojas de   artesanato.

A hospedagem é   um capítulo à parte. A cidade possui mais de 150   pousadas e hoteis!
Encantei-me com a arte local: várias lojas  de  arte  e variedades de  artesanato, facinam-nos  pela beleza de seu artesanato  quanto  à formas, cores  e  materiais diferentes  usados pelos artesãos locais.
É impossível sair dali sem trazer  algo  de  bonito  e interessante!   
Encantamos com os   restaurantes  pela variedade de aromas  e  cheiros,  tanto da  culinária mineira quanto internacional. Degustamos uma  deliciosa comida à   mineira!

Tiradentes também   possibilita   excelentes atrações para quem se  interessa, por exemplo, pelo  ecoturismo. Localizada aos pés da  Serra de  São  José,  a  cidade  conta com passeios guiados e  oferecidos   por  agências de turismo especializadas.  
Além   da bela serra, os  visitantes podem ir  a cachoeiras, realizar caminhadas  e passeios de bicicleta, além do contato mais próximo com a natureza.

A  cidade localiza-se   a menos  de  200  km   de Belo Horizonte e  o acesso mais comum é feito por rodovias.
Contudo, uma alternativa é  o  Aeroporto   Prefeito Octávio de   Almeida Neves, inaugurado em 2007 e  situado  na  entrada  para  São João del Rei,  cidade  próxima a Tiradentes.

Tiradentes, onde cada esquina ou construção reserva atrações surpreendentes de um local com  mais de 300 anos de história, ficará para sempre em meu coração!
Jornal da Canastra

Belfast, é uma cidade do Reino Unido. É a maior cidade e capital da Irlanda do Norte e da província do Ulster,

sendo a segunda maior cidade, na ilha da Irlanda.

 


Ainda estava escuro quando eu, minha filha e minhas  netas  tomamos a van que nos levariam a Belfast - Irlanda do Norte!
O Chofer uma pessoa muito alegre, espontânea, durante a viagem: cantava, contava piadas e falava sobre as maravilhas de Belfast,    uma cidade do Reino Unido: Maior cidade e capital da Irlanda do Norte e da província do Ulster, é a segunda maior cidade na ilha da Irlanda. Enquanto a população dentro dos limites da cidade é de cerca de 275.000, cerca de 750.000 pessoas vivem na área da Grande Belfast. Situa-se próxima à foz do rio Lagan. É flanqueada por trechos de montanha nos dois lados.
Belfast testemunhou o pior dos conflitos na Irlanda do Norte. O Acordo da Sexta-feira da Paixão encorajou a reconstrução da cidade em larga escala, tais como a Victoria Square, o Titanic Quarter e Laganside incluindo o novo complexo Odyssey e o ponto de referência Waterfront Hall.
Chamado de Titanic Experience e não Titanic Museum, esse grandioso tributo ao Titanic é uma experiência espetacular.
Ao custo de £97 milhões (Gente, são libras! Ó o caminhão de dinheiro que isso custou!), em um prédio lindo de morrer que te faz ter a sensação de estar de frente com o navio, este museu (espaço, experimento, tributo, chame como quiser) reúne 4 andares e 9 galerias de tudo relacionado ao Titanic.
Tem camarote da 1ª classe, vídeo com o lançamento do navio, bote salva-vidas, as plantas do navio, a última foto antes do desastre, um tour com vídeo em 3 telas gigantescas desde os porões até o deck superior e mais a vida no início do século XX, os cartazes da White Star Line, etc. Um passeio que pode levar uma tarde inteira e um pouco mais se você se sentar e contemplar a vista, que também é linda.
Os murais de Belfast
Há muros separando bairros católicos dos protestantes que tem a promessa de serem demolidos até 2023. Mas antes disso ainda há muito o que discutir e acordar sobre tolerância, religiosa e política. É um longo caminho.
Falls Road
Nós vimos um pequeno exemplo na Falls Road: um dos mais famosos, o ‘Gernika’, que agora estampa em seu centro um ‘Adiós, Amigo’ e uma pintura de Hugo Chávez (!!!).
Os muros têm pinturas que falam sobre tudo, de política à economia. O conflito está lá, em forma de grafitti e arte, como uma forma de protesto pacífico, mas também provocativo.
Belfast City Hall
É a magnífica sede da prefeitura. Iluminada, à noite, é uma visão imponente. Esta iluminação muda de cor nove vezes neste ano, em datas comemorativas.
Mármores, vitrais, salões de festa e uma escadaria linda são algumas das atrações.
A Crumlin Road Gaol
Foi fechada em 1996 e então restaurada após 150 anos de reclusão, conflito e execuções. Passaram por lá homens, mulheres e crianças que viveram dentro de suas paredes por causa da segregação política de prisioneiros republicanos. É um tour para os fortes.
Lá dentro você passa pelo túnel que ligava o Tribunal às celas, visita as celas agora restauradas e ambientadas como uma prisão do século XIX e também a cela pré-execução. E então vê a forca onde morreram 17 condenados (o último em 1961). Eu já disse que era um tour para os fortes?Uma grande parte do centro da cidade é agora somente pedestre.
Queen's University of Belfast é a principal universidade de Belfast. A University of Ulster também possui um campus na cidade, concentrando-se em belas-artes e design.
A maior doca seca do mundo fica na cidade, podendo os guindastes gigantes (Samson and Goliath) dos estaleiros Harland and Wolff, construtores do Titanic, ser vistos de longe.
Algumas áreas da cidade possuem murais sectários, refletindo as discrepâncias políticas e religiosas dos que ali vivem. Áreas com a Shankill Road contêm murais que são praticamente todos Protestantes, representando a violência republicana, a lealdade à Coroa Britânica, a Ulster Volunteer Force e a Ulster Defence Association. Murais em áreas como Falls Road, que são quase que completamente católicos romanos, apresentam temas políticos tais como a Irlanda Unida e o IRA, assim como o folclore tradicional e a língua irlandesa. O herói folclórico irlandês Cú Chulainn aparece nos dois murais, representando o herói celta das batalhas entre o Ulster e as outras províncias. Alguns murais paramilitares foram trocados, tanto nas áreas republicanas como nas áreas leais à Coroa, com imagens menos controversas.
O Crown Liquor Saloon na Great Victoria Street é o único bar controlado pelo National Trust. O bar fica situado do outro lado da rua, em frente ao Hotel Europa, tendo escapado de vários ataques.
Belfast, cidade aconchegante e linda que ficará para sempre em nossa  memória!

Jornal da Canastra

 

Eram  07 horas, ainda escuro: eu, e minha filha kelley Cristine já  estávamos a postos, no local, onde  um motorista  de uma van, com vários turistas nos levaria a  um belo passeio a oeste da Irlanda - Connemara, que é  o centro romântico da região,  uma terra rude de campos de turfa, montanhas baixas e litoral selvagem. É uma das regiões mais encantadoras e preservadas do país. Com paisagens naturais de tirar o fôlego, a região transmite tranquilidade e paz aos seus visitantes. Com uma mistura de rios virgens, lagos, bosques, ricas pastagens, colinas, montanhas e lindas praias de águas azuis cristalinas, várias atividades são praticadas ali, entre elas estão: golfe, pesca, ciclismo, caminhada, mergulho, alpinismo, natação e cavalgadas.

Connemara é uma área “Gaeltacht”, ou seja, onde se fala irlandês, rica em cultura e tradições irlandesas.
O motorista  nos conta durante a viagem que  o Kylemore Abbey, o foco principal do passeio originalmente  é um castelo neo-gótico da Era Vitoriana,  foi cons- truído no séc. XIX pelo político e magnata inglês Mitchell Henry, para sua mulher, Margaret. No entanto, ela morreu apenas quatro anos após o término da construção.
Em sua homenagem, Henry mandou erguer, perto do castelo, uma réplica da Catedral de Bristol, na Inglaterra, considerada a igreja favorita de Margaret. O ricaço, desiludido, passou a construção adiante. Assim, o castelo virou presente de casamento para a filha de um nobre, cujo marido era viciado em jogo e perdeu a propriedade no carteado. Durante a Primeira Guerra Mundial, uma congregação de freiras irlandesas na Bélgica perdeu seu convento, bombardeado, e resolveu voltar para a Irlanda em 1920. Kylemore estava à venda, e elas conseguiram adquirir o local. Como o convento ainda funciona, apenas alguns cômodos estão abertos à visita ção, mobiliados como na época dos Henrys.
Conamara é delimitada, a oeste, sul e norte pelo Atlântico. A fronteira terrestre de Conamara com o resto do Condado de Galway é marcada pelo rio Invermore (que corre para o norte da baía de Cill Chiaráin), Loch Oorid, (que fica a alguns quilômetros a oeste de An Teach Dóite, e da parte ocidental da coluna da Maumturks montanhas no norte do que o limite do mar reúne na Killary a poucos quilômetros a oeste de Leenaun.
A principal cidade de Connemara é Clifden. A área ao redor da cidade é rica em túmulos megalíticos. O famoso "mármore verde" ou branco de Conamara foi um tesouro comercial utilizados pelos habitantes da época, e continua a ser de grande valor hoje.
Uma região de enorme beleza natural salpicada de lagos e pântanos que ficarão para sempre em minha memória!

Mais Artigos...

Festival de Dança de Bambuí