25
Dom, Jul
ptenfres

Ferramentas

Acordei com saudade da minha vó. De ouvir o barulhinho da bolsa dela, enquanto procurava sua maquiagem preferida. Logo subiu um cheiro gostoso de cor.


Parece que ontem mesmo eu estava diante da minha mãe enquanto fazia maquiagem. Linda.!Meu fascínio pela beleza surgiu ao ver a agilidade de seus dedos. Ela se pintava como uma tela viva. A expressão da feminilidade como força.


Meus longos diálogos se esticaram ainda mais. Agora eu tinha duas irmãs e na porta do mesmo banheiro eu as admirava. Elas contornavam seus lábios. Sorriam como um abraço em mim.


Pisquei. E ali estava minha Dinha. Exótica. Fashionista. Exagerada. Se via alguma cor diferente, logo dizia: é minha.
Intenso foi quando descobri que amava Elora. Artística. Poética. Colorida.


E como a sombra que espalha o seu brilho em seus olhos, nasceu Naya Lua. Nasceu da gente. Brilhante. Iluminada. Intensa.
Com elas, tirei o véu que cobria o instinto. E o ouvi. Me permiti amar. A colorir meus dias. E na primeira oportunidade que tive, pintei meu rosto. Me tornei homem.


Essa é uma homenagem que se estende a todas as mulheres que de maneira direta ou indireta me fizeram ser o homem que sou. Com cores diferentes, vocês pintaram a minha vida e me inspiraram a transcender como ser humano, mas principalmente, como homem.
Esposo, pai, filho, irmão, sobrinho, primo, amigo sou grato pelas horas e horas ouvindo, vendo e partilhando o momento da maquiagem ou de vários outros com vocês.


Tenho certeza de que outros homens, assim como eu, se sentem gratos pela existência de cada uma, de uma maneira muito especial.
Feliz seu dia Mulher!

 Gio Lasmar

                Giordânio Lasmar - @giolasmar
                                                                                                       “Publicitário e comunicador nato. Ama arte, moda
                                                                                                       e blogar, idealmente tudo ao mesmo tempo.

Festival de Dança de Bambuí