14
Qua, Abr
ptenfres

Ferramentas

E o futuro estava ali, diante de mim. Guardei a carta novamente, e me preparei, ou pelo menos achei que estivesse preparado para o tempo que viria, o tempo da pandemia. Foram meses fechados dentro de casa. O medo da doença me assolou como quando vou à barbearia, e sinto a todo momento que o barbeiro vai me machucar com a navalha, por isso detesto barbearia, e tenho pavor à doença.


A pandemia me colocou para dentro de casa e para dentro de mim. A minha busca incessante pelo autoconhecimento foi intensificada e quando vi, tirei o projeto do papel e vi tornar-se realidade. Como consequência, ganhei os palcos, virei apresentador de lives, recebi convite para escrever um livro, fui convidado a posar para um projeto lindo sobre “O que é ser homem para você?”, sendo desenhado em carvão por um artista, e por último, mas super importante, esse espaço aqui, escrever para vocês.
Mesmo em meio a todos os desafios, vale à pena arriscar-se e seguir por caminhos diferentes.Talvez eles sejam os seus caminhos. Sentir o frio na barriga, aprender, reconstruir. Olhar para frente com positividade. É verdade que atraímos o que transmitimos.


Como meu último texto do ano, aproveito para desejar a vocês, leitores, um 2021 surpreendente, mas de coisas boas. Que todos os dias sejam dias felizes, de esperança, amor, saúde. E que o ano novo traga, junto aos seus desafios, coragem para viver a nossa infinitude de ser quem somos. Fica aqui também o meu sentimento por aqueles que se foram ou perderam alguém para essa doença, ou não, que sejam vistos como luz.


Que venha 2021! Espero que mais uma década, uma cápsula, tanta história, tanto de mim.

Giordânio Lasmar - @giolasmar
“Publicitário e comunicador nato, há mais de 8 anos com experiência em departamentos de marketing. Ama arte, moda e blogar, idealmente tudo ao mesmo tempo.

Festival de Dança de Bambuí