29
Ter, Set
ptenfres

Ferramentas

Um caso que está chocando o mundo aconteceu em Minneapolis, uma cidade do estado do Minnesota, nos Estados Unidos. Um vídeo, divulgado nas redes sociais, mostra a operação policial em que um agente imobiliza George Floy , um homem negro que foi desarmado pelo policial Derek Chauvin! Com um joelho em cima da garganta de Floy , o policial asfixiou-o provocando a sua morte. Os quatro polícias envolvidos foram despedidos na madrugada de quarta-feira
E dever de todos, lutar pela efetivação dos direitos humanos !
A Lei dos Direitos Civis de 1875 proibiu a segregação racial, mas mesmo assim , a discriminação e a segregação vem ocorrendo há séculos, nas Américas. Infelizmente a ideologia da supremacia branca tem produzido violência sistematizada contra negros.
No sul dos Estados Unidos, a partir de 1876, aprovaram-se leis de segregação em escolas, transportes públicos, locais públicos, restaurantes, hotéis, teatros e em todos os locais da esfera pública. Tais leis foram legitimadas pelo poder executivo e pela Suprema Corte norte-americana, . A população negra ficou privada de direitos fundamentais básicos, essenciais para a existência humana. Nesse triste e lamentável contexto, o negro não era reconhecido como pessoa humana, uma vez que nem mesmo tinha direito ao voto, educação, saúde, e reconhecimento, questões fundamentais para a vida. A violência aos negros não tinha limites. Os brancos praticavam à luz do dia, todo tipo de violência contra os negros até linchamento público!O desprezo, a crueldade e a desumanização são traços que marcam a vida dos negros há centenas de anos naquele grande e próspero país.
A luta contra as leis de segregação foi intensa, duradoura e corajosa: associações e movimentos, além de personagens importantes, como Martin Luther King, lutaram incansavelmente para que tais leis fossem revogadas e eliminadas da legislação. Apenas no ano de 1954 é que a Suprema Corte americana reconheceu que segregação em escolas públicas era incompatível com a Constituição. Contra a vontade dos brancos do Sul, a Lei dos Direitos Civis de 1964 foi implementada e deu continuidade a desagregação, seguida pelo direito ao voto, em 1965. Evidentemente, trata- se de uma relevante conquista, se considerarmos o fato de que o racismo, embora continuasse presente, não tinha agora o apoio da Lei. Havia ainda muito caminho a ser percorrido. A luta estava apenas começando.
A Declaração de 1948 é fundamento básico e influente na luta contra o racismo. Já no ano de 1965, a Organização das Nações Unidas (ONU) adotou a Convenção Internacional sobre a eliminação de todas as formas de discriminação racial. Essa convenção tem enfatizado, que “qualquer doutrina de superioridade baseada em diferenças raciais é cientificamente falsa, moralmente condenável, socialmente injusta e perigosa, inexistindo justificativa plausível para discriminação racial”.
Os entraves sociais provocados pelas leis de segregação racial nos EUA e o virulento racismo delas decorrente só começariam, de fato, a ser ao menos parcialmente resolvidos como os movimentos de luta pelos direitos civis dos negros. Um dos líderes desses movimentos tornou-se símbolo dessa luta: Martin Luther King Jr . No dia 28 de agosto de 1963, em Washington, no famoso discurso “Eu tenho um Sonho”, Martin Luther King afirmou: “Não haverá descanso nem tranquilidade na América enquanto ao negro não forem concedidos seus direitos de cidadão. Os turbilhões da revolta continuarão a abalar os alicerces do nosso país até emergir o dia luminoso da justiça”.
Neste momento, o mundo está enfrentando uma grande batalha contra o covid-19 ! Com a ajuda de Deus venceremos mais esta batalha, assim como muitas ,de toda espécies, já foram vencidas , em tempos passados !
Precisamos continuar batalhando por um mundo melhor ,onde haja mais justiça ,mais igualdade , quesitos essenciais para uma sociedade democrática e promoção da dignidade humana.
Liberdade , igualdade entre raças, direito de ir e vir, liberdade de expressão deverão ser a marca principal da nossa nação brasileira !

Até a próxima!

Festival de Dança de Bambuí